Refinaria Alberto Pasqualini - REFAP

REFAP

O desenvolvimento do plano diretor para a gleba, tão estratégico tanto para o resultado espacial do conjunto quanto para a arquitetura dos pavilhões propriamente ditos, partiu de premissas determinadas conjuntamente pela equipe, e duas diretrizes fundamentais estruturam a lógica do partido urbanístico adotado:

  • aproveitamento dos valores da paisagem local, tanto pela manutenção máxima possível do relevo – evolvendo um conjunto considerável de vegetação nativa e concentração natural de água preservados, mantendo boa parte da topografia original e açude existente, originários da Fazenda da Brigadeira (Bairro São Luís – Canoas-RS), sede do local, cuja construção principal também foi preservada – quanto pela implantação das edificações novas e área industrial em articulação respeitosa com o ambiente ; 

  • organização geral das edificações e zoneamento da área industrial de forma a constituir espaço urbano ordenado por objetos autônomos, inseridos na paisagem, relacionados entre si, tanto através de sistema espacial abstrato e fluido – onde perspectivas visuais relacionam formalmente as unidades, formando uma espécie de jogo entre peças distintas de um mesmo sistema – quanto pelas relações tipológicas estabelecidas entre as edificações. O princípio de organização espacial e formal dos diversos pavilhões evidencia a utilização de critérios modernos de projeto, com certa universalidade, porém adequados às variáveis de programa e sítio, fortemente condicionados por parâmetros técnicos e construtivos, estabelecendo um conjunto de relações topológicas entre eles, desde o ponto de vista urbano e sistêmico/tipológico até o ponto de vista formal das arquiteturas;

Na escala urbana, portanto, a estratégia de projeto foi conceber, em equipe, partido geral para a implantação do conjunto, com ênfase em sistema espacial controlado funcionalmente, mas qualificado formalmente, observando parâmetros ambientais, através de desenho abstrato ordenado e relações visuais consequentes. O conjunto conforma espaço urbano moderno controlado espacialmente, mesmo que desenhado a partir de parâmetros de funcionalidade, circulação e segurança determinantes no caso: a organização geral do complexo obedece ordenamento cartesiano de quadras ortogonais regulares para a área industrial – que ocupa a metade norte da gleba, dividida em duas longitudinalmente, com ocupação da perna do “L” a norte de forma a “encaixar” a perna do “L” da área do refeitório, configurando dois “Ls” associados, como convém às exigências programáticas – e um traçado mais irregular à garden city, conectando pavilhões horizontalizados e valorizando a paisagem natural nas áreas coletivas, com Refeitório, Administração, Superintendência, Serviços Médicos, etc.

A estratégia do projeto, subvertendo a prática de tábula rasa de nivelar o terreno integralmente – critério comum nas instalações industriais, igualmente intencionada inicialmente pela Petrobras para o caso – preservou as condições topográficas naturais e a mata nativa e condicionou substantivamente os princípios de organização urbana e ocupação espacial adotados, localizando nas partes mais altas os edifícios administrativos e serviços, em quatro conjuntos, de forma a estabelecer relações arquitetônicas entre si, com a paisagem e restringindo o terrapleno à área industrial propriamente dita, onde o sistema espacial é rigorosamente subordinado à infraestrutura. A ideia de constituição de conjuntos urbanos modernos revela sensibilidade incomum em complexos industriais, com poucos antecedentes no relativamente recente processo de industrialização do país.

Sergio M. Marques, 2012

 


Refinaria Alberto Pasqualini - REFAP

Ano: 1962-1968

Área: 50.000m²

Promotor/Contratante:

Governo do Federal do Brasil., Petrobrás S.A.

 

Projeto de Urbanismo, Paisagismo, Arquitetura e Fiscalização de Obral:

 

Arqs. Carlos M. Fayet, Cláudio L. G. Araújo,  Moacyr Moojen Marques, e Miguel Pereira

Complementares:

 

Cálculo Estrutural:

Eng. Dicran Gureghiam, Eng. Eugênio Knoor, Eng. Fernando Campos de Souza

 

Técnicas construtivas e especificações

Eng. Raul Rego Faillac

 

Instalações elétricas, hidráulicas e ar-condicionado

Eng. Boyjunga Dias e Eng. Milton Campos

 

Acesso viário BR-116

Eng. Cloraldino Severo 

Construtoras:

Melo Pedreira, Azevedo Moura Gertum, Tedesco e outras.

Local:  Rodovia BR 101 Km 13, Canoas/RS

Condição Atual:  Em uso

Fotografias:

João Alberto da Fonseca – Acervo FAM

Modelo 3D: 

Sergio Marques

01

02

03

BIBLIOGRAFIA

LUCCAS, Luís Henrique Haas. Arquitetura moderna brasileira em Porto Alegre: sob o mito do “gênio artístico nacional”. Porto Alegre: PROPAR-UFRGS, 2004 (Tese de doutorado em arquitetura).

 MARQUES, S. M.. FAM. 1. ed. Porto Alegre: ADFAUPA, 2016. v. 300. 448p

MARQUES, S. M.. Carlos Maximiliano Fayet. Arquitetura moderna brasileira no Sul. Arquitextos (São Paulo. Online), v. 105, p. 105.03, 2009

MARQUES, S. M.. Ambiente, paisagem, urbanismo e arquitetura modernos em obra pioneira da Arquitetura Moderna Brasileira no sul: Refap/Petrobras - 1962/1968. AMBIENTE CONSTRUÍDO (ONLINE), v. 18, p. xxx, 2018.

MARQUES, S. M.. DA "REFINARIA À SECRETARIA" - Racionalismo Estrutural, socialismo nacional e modernismo regional em obras públicas de Fayet, Araújo & Moojen - 1962 a 1970. In: Carlos E. D. Comas; Marta Peixoto; Sergio M. Marques. (Org.). Concreto - Plasticidade e Industrialização na Arquitetura do Cone Sul-Americano 1930/1970. 1ed.Porto Alegre: Editora Ritter dos Reis, 2012, v. VII, p. 175-204

Projeto Janeiro/Fevereiro de 1994 nº171­; Bienal Tradição e Ruptura – Arquitetura, Nov 1984 – Jan 1985, pg. 30

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil (1900-1990). São Paulo: Edusp, 1998.


XAVIER, Alberto/MIZOGUCHI, Ivan. Arquitetura Moderna em Porto Alegre. São Paulo: Pini, 1987.

PREMIOS E EXPOSIÇÕES

Medalha de Ouro - Melhor Projeto Construído, 4º Salão de Arquitetura do RS  IAB/RS. Janeiro 1968

Bienal Internacional de Arquitetura – Tradição e Ruptura –  Fundação Bienal de São Paulo (19/11/1984 a 31/05/1985)

Integrante do Arquivo Internacional de Arquitetura Moderna do DOCOMOMO - Ficha elaborada por Sergio M. Marques

 

 

© 2018 Sergio M. Marques | Wix.com

+55 51 32258938 | moomaa.arq@gmail.com

  • Facebook - MooMAA
  • Instagram - MooMAA