Edificio Cone Sul  (Solar das Palmeiras)

O Edificio Cone Sul, chamado Solar das Palmeiras pelos proprietários, insere-se na condição de tecido urbano,dentro da categoria de habitação coletiva de pequeno porte, típica da volumetria remanescente do I PDDU de Porto Alegre (1979), proporcionada à renovação amena de bairros tradicionais de Porto Alegre, relação posteriormente pervertida pelo plano diretor sucessor (1999). Insere-se igualmente no segmento das incorporações imobiliárias, recorrentes no mercado doméstico, seguidamente afastadas de critérios arquitetônicos razoáveis de habitabilidade, atenção construtiva e controle formal, bem como do interesse acadêmico neste gênero de produção. Insere-se ainda em certa formalidade arquitetônica  dispersamente presente na região meridional da América Latina, em particular no Uruguai, norte da Argentina e episódicamente, no sul do Brasil.  Esta arquitetura, incluída na chamada generaciones del ladrillo no Uruguai, proliferamente produzida em Córdoba na Argentina, especialmente por Togo Dias,  tardiamente valorizada nos anos 1980, em nada compromete-se strictu sensu com as vertentes contextualistas destes anos, já que pretensamente moderna, pretende a adoção de princípios universais, dentro de certas condições de aceitação do sentido comum, da tradição construtiva local e da lógica formal abstrata.  O projeto aproveita a declividade natural do terreno para a acomodação de dois semi subsolos de estacionamento, atendendo confortavelmente dois automóveis por unidade de habitação. Sucedem, além do térreo, três pavimentos com dois apartamentos por nível, dois dormitórios cada, sala e cozinha integrada, com áreas razoavelmente acima das mínimas exigidas por norma. No último pavimento, um único apartamento duplex, goza de acesso ao terraço jardim, obtido graças a engenhosa interpretação da lei atual e árdua negociação com os órgãos públicos responsáveis. Estrutura independente, alvenarias de tijolos à vista escolhidos de acordo com suas qualidades tectônicas e visuais, entremeiam-se com lâminas de concreto em balanço, ora projeção do entrepiso,  ora estrutura intermediária,  que protegem as empenas da ação do tempo e suportam eventuais equipamentos de condicionamento.

Com modesta pretensão, o projeto busca, dentro de condições estreitas impostas por regulação normativa, orçamento reduzido e baixa tecnologia, obter melhor qualidade urbana, em segmento predominante.

 

Sergio M. Marques, 2010

Projeto

MooMAA - Arq. Moacyr Moojen Marques, Arq. José Carlos Marques, Arq. Sergio MMarques. 


Coaboração:

Arq. Mônica Lucee Bohrer, Arq. Luciane Stürmer Kinsel. 


Desenhos Técnicos: 

 

Acad. Arq. Clarice Oliveira, Acad. Arq. Aline Skowronski

 Proprietário: 

 

Sommer & Sommer Engenharia

Complementares: 

Elétrico/hidrosanitário - Filippon Engenharia Ltda.

Estrutral – Padoin & Sachs Engenharia de Estruturas

Construção - Sommer & Sommer Engenharia

Fotografias: Eduardo Aigner

Área do Terreno: 360,82m²Área Construída: 1146,00m²

Local: Rua Felipe de Oliveira esq. Gal. Souza Doca, Porto Alegre - RS

BIBLIOGRAFIA

MARQUES, M. M. ; MARQUES, S. M. ; MARQUES, J. C. . Edifício Cone Sul. In: Ana carolina Pellegrini e Juliano Caldas de Vasconcellos. (Org.). Bloco 7. 1ed.Novo Hamburgo: , 2011, v. 7, p. 160-171.

PREMIOS E EXPOSIÇÕES

2010 - Participação na seleção da VII Bienal Ibero Americana de Medellín 

© 2018 Sergio M. Marques | Wix.com

+55 51 32258938 | moomaa.arq@gmail.com

  • Facebook - MooMAA
  • Instagram - MooMAA