Edificio FAM

“FILTRO SOLAR – FATOR PARALELO 30”

O FAM e a Arquitetura Moderna Brasileira no Sul

 

 

O projeto do FAM advém do desejo da modernização social através da ação renovadora do urbanismo moderno e do conceito do conjunto habitacional de caráter autônomo.

O FAM (1963-1968), construído no aterro da Praia de Belas, obedece à morfologia determinada pelo Plano Diretor de 1959, que traçava para o novo território, o Centro Administrativo de escala monumental, grandes parques urbanos, avenidas estruturais e bairros residenciais. Conjuntos de habitação coletiva configurados por uma seqüência de ruas entra-e-sai, intervaladas por praças vicinais, compostas por prédios de apartamentos, “cúbicos”, de 12m de lado, com térreo mais três pavimentos recuados das divisas e balanceados sobre o jardim.

O modelo da cidade moderna encontra-se também na definição do programa singular: Habitação coletiva de Fayet, Araújo e Moojen, um apartamento por andar, em edifício moderno. Filiação marcante na estrutura independente de concreto, na pureza dos volumes cúbicos, na fluidez e decomposição do espaço em planos, na envolvente de pouca substância da fachada. 

O uso do brise-soleil e o ajuste dos planos de fachada às condicionantes climáticas, provém de um caráter arquitetônico nacional, valorizado pela elite artística dos anos 30 e 40, que buscava acomodar a internacionalização moderna ao contexto local e novas tecnologias à materialidade e formas tradicionais. No FAM, a fachada, de orientação oeste, traz a fisionomia da porosidade, em um prédio cuja verdadeira face é a da transparência, da estrutura de concreto aparente e pele de vidro. O filtro, composto de venezianas, que se movimentam verticalmente através de contrapesos, combina composição moderna com a tradição do muxarabi mouro aportado ao Brasil via a arquitetura lusa, e cria um espaço poché, tradicional nas varandas da casa rural brasileira, que por transparência abre-se ao estar.

O sol vespertino, ao deitar-se sobre o Guaíba, oferece luz filtrada abundante, meia-luz fresca aconchegante; transparência e sombra no paralelo 30.

 

“SUNSCREEN – PARALLEL 30 FACTOR”

FAM and the modern architecture in the south of Brazil

 

 

The project of FAM comes from the desire of social modernization through the renewing action of the modern urbanism and the concept of community housing with an autonomous character.

The FAM (1963-1968), built on the landfill in Paria de Belas, follows the morphology determined by the City Plan of 1959, that delineated for the new territory, the Administrative Center of monumental scale, great urban parks, structuring avenues and residential neighborhoods. Community housing configured by a sequence of in-and-out streets, interspaced by vicinal parks, composed by buildings of “cubic” apartments, 12m length, with ground floor and three more floors rebounded from the boundaries and balanced over the garden.

The model of modern city is also in the definition of a singular program. Community housing of Fayet, Araújo and Moojen, one apartment in each floor, in modern building. Marking affiliation in the independent concrete structure, in the purity of cubic volumes, in the fluid and decomposed space in plans, in the involving and short substance facade.

The use of brise-soleil and the adjustment of the facade plans to the climate, comes from a national architectural character, valued by the artistic elite from the 30’s and 40’s, that was seeking to adjust the modern internationalization to the local context and the new technology to materiality and traditional forms. In FAM, the west facade brings the face of porosity, in a building whose real face is of transparency, apparent concrete structure and glass skin. The filter, composed of shutters that move vertically through balance weight, combines modern composition with the traditional muxarabi ported to Brazil by the Portuguese architecture, and creates a poché space, traditional in the porches of rural Brazilian houses, that transparently opens to the living area.

The afternoon sun, as laying down over the Guaíba, offers abundant filtered light, fresh and cozy dim light; Transparency and shadow on the parallel 30.

Sergio M. Marques, 2011

 

Foto acima:

Fachada Norte. Foto Marcelo Donadussi

Edifício FAM

 

Projeto de Arquitetura e Execução
Arquitetos Carlos Maximiliano Fayet, Cláudio Luiz Araújo e Moacyr Moojen Marques

Estrutura
Engenheiro Fernando de Campos Souza

Instalações
Engenheiro Cláudio Herman Bojunga

Mestre de Obras

Alfredo

Esquadrias

Scheid Esquadrias

Endereço
Rua Dr. Vicente de Paula Dutra 225, Praia de Belas, Porto Alegre RS

Área construída
832,00m²

 

Projeto / Construção

1964 / 1968

Fotos:

De época: João Alberto da Fonseca

Recentes: Leopoldo Plentz, Guilherme Werle, Marcelo Donadussi, Hélio Piñon e Sergio M. Marques

BIBLIOGRAFIA

ALMEIDA, Guilherme Essvein de; BUENO, M. F. T. ; Gallo, João F . . Guia de Arquitetura Moderna em Porto Alegre. 1. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. v. 1500. 96p 

COMAS, Carlos E. D. Arquitetura gaúcha: história de família, história de uma escola. São Paulo: Vitruvius, 2016 (Resenhas On-line).

COMAS, Carlos Eduardo Dias (Org.) ; MARQUES, S. M. (Org.) . A SEGUNDA IDADE DO VIDRO: Transparência e Sombra na arquitetura moderna do Cone Sul Americano: 1930 0 1970. Porto Alegre: Editora Riter dos reis, 2007. v. 1. 350p .

LUCCAS, Luís Henrique Haas. Arquitetura moderna brasileira em Porto Alegre: sob o mito do “gênio artístico nacional”. Porto Alegre: PROPAR-UFRGS, 2004 (Tese de doutorado em arquitetura).


________. "O sul por testemunha: declínio da hegemonia corbusiano-carioca e ascensão da dissidência paulista na arquitetura brasileira anos 50." Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, v. 27, p.46-65, 2010.


________. “A Arquitetura de Linhagem Brutalista em Porto Alegre nos Anos 60/70”. Rio de Janeiro: Cadernos PROARQ 24, p.123-142, 2015.

 MARQUES, S. M.. FAM. 1. ed. Porto Alegre: ADFAUPA, 2016. v. 300. 448p 

 

MARQUES, S. M.. Adeus Capitán: Cláudio Araújo (1931­/2016). Drops (São Paulo), v. 107.09, p. 107.09, 2016 

MARQUES, S. M.. CLÁUDIO ARAÚJO E OS PRIMÓRDIOS DO DESIGN MODERNO NO SUL. Arquitextos (São Paulo), v. ano 17, p. 194.04, 2016.

MARQUES, S. M.. Carlos Maximiliano Fayet. Arquitetura moderna brasileira no Sul. Arquitextos (São Paulo. Online), v. 105, p. 105.03, 2009

MARQUES, S. M.. The Fountainhead, El Manantial. Revista Summa, Buenos Aires, v. 58, p. 26-29, 2003.

MARQUES, S. M.. A Máscara. ARQTEXTO (UFRGS), Porto Alegre, v. 3-4, p. 154-159, 2003.

MARQUES, S. M.. The Fountainhead ? a nascente. O edifício FAM em Porto Alegre. Arquitextos (São Paulo. Online), v. 036, p. 180, 2003.

MARQUES, S. M.. Rio Grande do Sul e Uruguai na Cena Meridional - Paralelos Platinos (1678-1960). In: Juliano Caldas de Vasconcellos e Tiago Balem. (Org.). Bloco 11 - Arquitetura da América Latina em Reflexão. 1ed.Novo Hamburgo: Feevale, 2015, v. 11, p. 90-109

MARQUES, S. M.. Filtro Solar ? Fator Paralelo 30 ? O FAM e a Arquitetura Moderna no Sul. In: COMAS, Carlos Eduardo; MARQUES, Sergio Moacir. (Org.). A SEGUNDA IDADE DO VIDRO: Transparência e Sombra na arquiteturqa moderna do Cone Sul Americano: 1930 0 1970. 1ed.Porto Alegre: Editora UniRitter, 2007, v. 1, p. 153-168

 

POLTOSI, Rodrigo. ROMAN, Vlademir. Guia de Arquitetura de Porto Alegre. Escritos, Porto Alegre, 2016.

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil (1900-1990). São Paulo: Edusp, 1998.


XAVIER, Alberto/MIZOGUCHI, Ivan. Arquitetura Moderna em Porto Alegre. São Paulo: Pini, 1987.

© 2018 Sergio M. Marques | Wix.com

+55 51 32258938 | moomaa.arq@gmail.com

  • Facebook - MooMAA
  • Instagram - MooMAA