AACRT - Associação dos Aposentados da Companhia Rio Grandense de Telecomunicações

T3-1.jpg
Croqui.jpg

Memorial descritivo

 

1- Terreno

Foi mantida a área do terreno com as dimensões adotadas, tendo em vista seu menor polígono inscrito no levantamento topográfico. 

2 - Programa de Necessidades

Nova relação, dimensionamento básico das dependências e recomendações quanto à localização. Repetem-se as mesmas diretrizes dos itens 2.1., quanto aos acessos e comunicações internas e 2.2. quanto às dependências a serem locadas, sendo que o anteprojeto ora apresentado incorpora o dimensionamento e os relacionamentos fornecidos neste momento. 

3 - O Entorno Urbano

Obviamente permanece com as características antes apresentadas (texto e imagens), agora enriquecidos pela visão oferecida pelas simulações digitais, produzidas em forma dinâmica dos espaços externos, internos e espacialização funcional. 

4 - Legislação Municipal

Permanece a tabela anteriormente apresentada, relativamente aos máximos permitidos pelo Plano Diretor, modificando-se o dado referente à altura da base que passou a ser 4,00 m, assim como o da área do terreno adaptada ao levantamento topográfico.

5 - O Prédio 

5.1. Diretriz

Coerente com a proposta do estudo preliminar procura-se, nesta fase, manter a concepção na sua essência. Assim, da mesma tipologia estabelecida, tem-se a base e a torre situadas dentro dos máximos permitidos na lei urbanística. 

5.2 - Conceito formal

Conserva-se a idéia da base e a torre, com esta última ligada do chão ao topo, passando pela primeira, a qual adquire a forma de pórtico, agora com 6,50 de altura (altura da base, 4,00m, acrescida de 2,00m permitida por lei, no caso de platibandas ou telhados, somando-se 50 cm abaixo do RN).

Os desenhos, a seguir, mostram simultaneamente as propostas contidas no estudo preliminar e sua evolução no anteprojeto. 

5.3 - Zoneamento

O pavimento térreo (base) contém as atividades da AACRT que demandam acesso de maior público. O acesso principal do edifício é feito de forma ampla e generosa como convém à imagem a ser comunicada pela AACRT, fato incomum em edifícios recorrentes. Esta postura, aliada ao pórtico que ocupa toda a fachada, reforça a idéia de imponência requerida pelo tema. Duas lojas somadas ao acesso às garagens completam a fachada. Dois subsolos constituem os estacionamentos e parte dos serviços. A torre destina dois pavimentos para as demais dependências da AACRT e os demais seis pavimentos as locações. 

5.4 - Circulações

A partir do acesso principal ao vestíbulo geral do prédio tem-se a circulação vertical feita pelos elevadores (2) e escada de incêndio, um dos quais, atinge também os subsolos. No lado oposto encontra-se o acesso de veículos e na parte central as lojas. Na análise do projeto podem ser identificadas as seguintes hipóteses relativas às circulações: O auditório, o salão de festas (restaurante), assim como o bar restaurante podem ter funcionamento completamente independentes entre si, ligados ao exterior. Da mesma forma, foi prevista a locação de um coffe-break sob o piso inclinado do auditório, que por sua vez pode ser acoplado ao restaurante como complemento à sua capacidade e/ou sua especialização para churrascaria também ligada ao pátio, onde é possível ter bancos e mesas ao ar livre.

São possíveis as ligações entre os dois pavimentos da AACRT, mediante escadaria própria. Abastecimento da cozinha e do almoxarifado mediante monta-carga que parte do 1° subsolo servido por veículos, junto à estação transformadora.

5.5 - Estrutura

Tal como o estudo anterior, está prevista a possibilidade de adoção de estrutura pré-fabricada em concreto (vide esquema estrutural inteiramente modulado em 5,00 m x 5,00 m e 1,25 m x 1,25 m, utilizando-se vigas e lajes de 10,00 m e 5,00 m).

Lajes padrão Premold, tipo Laje Plana Leve (LPL), com face inferior pré-fabricada e complementação estrutural in loco, e isopor incorporado, permitindo paredes em qualquer posição̕, sem vigas intermediárias. Na cobertura do auditório estão previstas telhas de concreto pré-fabricado Premold (v.43) que dispensam estrutura intermediária de sustentação, além de propiciar recursos como domus de iluminação e/ou ventilação.

Em função de custos ou conveniências técnicas da realização da obra, com as devidas adaptações é perfeitamente possível executar a estrutura na forma tradicional ou mista.

6 - Áreas do projeto, distribuição nos pavimentos e dimensionamento das peças

 6.1 -Dimensionamentos das peças

A fidelidade auto imposta pelos autores, assim como favorece as questões julgadas importantes desde a concepção inicial do projeto, traz, juntamente com a forma e dimensões do terreno a necessidade de algumas adaptações. Assim tem-se a modulação 1,25m x 1,25m que ao mesmo tempo em que constitui módulos ideais para dependências administrativas e restaurantes, produz áreas que, em alguns casos não atendem exatamente as pré-fixadas. Nestes casos, procurou-se a maior aproximação possível para mais ou para menos.

Da mesma forma o partido geral e seu complexo funcionamento impossibilitam, em alguns casos, grandes áreas contínuas como as mencionadas no programa, que são o caso do auditório, salão de festas, cozinha, etc.

Nestes casos algumas dependências são dissociadas em mais de um espaço, com a devida justificação (salão - restaurante) e as lojas. No caso há de ser considerado o custo benefício das soluções possíveis ocorrerem no desenvolvimento do projeto, visto como um todo.

7 - Climatização

O condicionamento de ar em todas as dependências está concebido da seguinte maneira: os compressores estarão posicionados na cobertura da garagem e do topo da edificação evitando-se artefatos nas fachadas, com solução definitiva mediante projeto específico. Nesta solução, desaparece a necessidade de aparelhos de fachada.

8 - Orçamento Estimado 

Em acordo com o que consta nas “bases do concurso” (item 2.23 letra b) procedemos da seguinte forma: 

8.1 - Foi medido no projeto, a área total à ser construída, a partir do princípio de situar a construção em níveis próximos dos limites permitidos pelo Plano Diretor. Índice de aproveitamento, taxa de ocupação, alturas e os respectivos recuos.  

8.2 - A área construída destacada foi a base de cálculo da estimativa do custo da obra a partir da aplicação do valor do CUB ponderado de janeiro de 2008. Este valor foi desmembrado em partes proporcionais ocorrentes em obras desta natureza, conforme o exigido no mesmo item 1.23-b.

9.3 - O que ultrapassou, tanto em área quanto em valor (item 9.1), poderá ser facilmente adequado ao disposto no item 2.23 letra g, desde que haja a correspondente redução nos pisos da torre de escritórios para locação, uma vez que as unidades de salas superam em número as sugeridas no Edital. Julgamos ser conveniente à AACRT, a oportunidade de dispor de um projeto com o maior potencial construtivo, visto que:

8.3.1 - Poderá interessar a empreendedores na participação do empreendimento.

 8.3.2 - Poderá ela própria (AACRT) edificar, no momento, a parte que lhe interessa, deixando a estrutura (basicamente pilares) preparada para futuro aumento, valendo-se da atual legislação urbanística em vias de mudança.

 8.3.3 - Poderá simplesmente considerar como definitiva a opção de conter-se nos parâmetros de área e valores indicados e assim limitar desde já o número de pavimentos tipo, situação em que ainda restam 24 conjuntos para locar.

Assim tem-se

Área considerada no orçamento = 5.400 m²

valor estimado R$494.960,00

Área que consta do projeto completo = 6.271,14 m²

Área resultante com a redução de dois pavimentos tipo 7° e 8° 6.271.44 m²- 722,62= 5.548,52

 8.3.4 - Não está incluído no orçamento estimativo o sistema SPLIT. Segundo cálculo sumário elaborado por Cézar Costa Engenharia Termo Dinâmica Ltda. O valor global é de R$ 1.000.000,00. Este valor é calculado sobre a totalidade do edifício incluindo as áreas locáveis. A fase atual de anteprojeto permite especular um valor por metro quadrado de área à climatizar, a partir do valor calculado, em torno de R$ 250,00/m². Assim para a sede da AACRT, distribuída no térreo + dois pavimentos, tem-se 1.462,5 m², equivalente a um total de R$365.625,00.

Moacyr Moojen Marques, 2012

 

NOVA SEDE DA AACRT – ASSOCIAÇÃO DOS APOSENTADOS DA COMPANHIA RIOGRANDENSE DE TELECOMUNICAÇÕES

 

Arquitetura:

 

Moojen & Marques Arquitetos Associados

Arqs. Moacyr Moojen Marques, Sergio M. Marques, José Carlos Marques + Arq. Cláudio Ferraro

Colaboração: Arq. Monica L. Boher, Acads. Betina Cornetet, Karla Roman, Valentina Marques, Camila Thiesen

 

Estrutura:

 

Construtora PREMOLD - Eng. George S. de Souza

 

Orçamento:

 

Eng. Marco Aurélio Gonçalves

 

Conforto:

 

Eng. Cesar Costa

 

 

 

Fig. 2.jpg
Norte_PB
Norte_PB

Fachada Norte

press to zoom
Oeste
Oeste

Fachada Norte

press to zoom
V2.jpg
V5.jpg
CORTEAA.jpg
Planta Térreo.jpg
Corte
Corte

Fachada Norte

press to zoom
Corte
Corte
press to zoom
MONTAGEM_DEFINITIVA_ÚLTIMA.jpg
A1.jpg
Croqui
Croqui

Desenho de Moacyr Moojen Marques

press to zoom
Entrada principal
Entrada principal
press to zoom

BIBLIOGRAFIA

MARQUES, M. M. ; MARQUES, S. M. ; MARQUES, J. C. ; BOHRER, M. L. . Concurso Restrito de Anteprojetos de Arquitetura para a Nova Sede da AACRT ? Associação dos Aposentados da Companhia Riograndense de Telecomunicações. São Paulo: Vitruvius, 2009 (Projeto Arquitetônico).

MARQUES, S. M.; MOOJEN, M. ; MARQUES, J. C. ; BOHRER, M. L. . Moojen & Marques vence concurso da AACRT (Projeto Arquitetônico). São Paulo: Arco Editorial, 2008 (Projeto Arquitetônico).

PREMIOS E EXPOSIÇÕES

2008

1° Lugar Concurso de Anteprojetos de Arquitetura para a Sede da Associação dos Aposentados da Companhia Riograndense de Tele comunicações - AACRT, Associação dos Aposentados da Companhia Riograndense de Tele comunicações - AACRT