Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Sede da Petrobrás no Espirito Santo

PB005.jpg

A pretensão indutora da proposta é propiciar uma obra, cuja presença urbana seja, ao mesmo tempo, um destaque na paisagem local e uma afirmação conquistada pela Petrobrás, numa relação harmônica com esta mesma paisagem, considerando o entorno próximo e, principalmente, a conformação do sítio quanto a seus elementos naturais (topografia e vegetação).

Assim, o que importa nesta diretriz é a implantação das partes edificadas do projeto, o plano de massas: mais visível ao olhar do observador urbano, sem dúvida, são as encostas da elevação: o topo não tem tanto poder de influência na ecologia local, ao passo que, dele desfruta-se uma bela paisagem. Por outro lado, a existência física do morro causa uma descontinuidade espacial nas ligações funcionais dos elementos do programa, a qual deve ser superada.

Optou-se então por um partido geral em que se aproveita a crista do morro como elemento de ligação entre todos os prédios, construindo ali os principais espaços agregadores das atividades de todo o conjunto. Desta forma, constroe-se uma “acrópole-ágora”, que é ligada aos prédios situados em cotas inferiores, ao nível das ruas, por passagens panorâmicas elevadas, as quais, por não tocarem o solo, mantêm íntegras as encostas leste e oeste da elevação.

O prédio principal administrativo, que utiliza o máximo de altura permitida pelo plano local tem, no nível da praça elevada, ponto de união na panorâmica oeste, um pavimento de pilotis, também panorâmico, com altura coincidente com a que predomina nos prédios do entorno. A partir daí o acréscimo no porte vertical, serve para compor a idéia do destaque perseguido, como uma homenageam que a cidade faz à empresa.

No lado oposto, onde situam-se os acessos e dependências de serviço, a via panorâmica conecta-se com a torre cilíndrica da face leste, permitindo  anulação da descontinuidade física pelas articulações possíveis estabelecidas para todo o projeto.

A imposição de  um obstáculo físico imposto pela natureza, no presente caso, oportunizou um plano de massas, que uma vez implantado, poderá determinar um marco urbano para a capital do Estado, em face da inusitada, porém lógica volumetria resultante.

Moacyr Moojen Marques, 2005

 

Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Sede da Petrobrás no Espirito Santo

Local:  Vitória - ES

Data do projeto: 2005

Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo:

MooMAA - Moojen & Marques Arquitetos Associados - Arqs. Moacyr Moojen Marques, José Carlos Marques,  Sergio M. Marques, (Porto Alegre)

Colaboração: Arq.Monica L. Bohrer,  Arq. Arq. Aline Skowonski, Arq. Luciane S. Kinsel, Arq. . Marilisa C. Branco Lykawka, Acad. Ana Paula Philipsen, Acad. Clarice M. de Oliveira, Acad. Manoela B. Schmidt, Acad. Marcos André da Paz Carvalho, Acad. Marcio Domingues

Estrutura e Infra Estrutura:

 

SPM Engenharia

Esquema Geral, Praça
Esquema Geral, Praça
press to zoom
Diagrama, Topografia
Diagrama, Topografia
press to zoom
Diagrama, Topografia
Diagrama, Topografia
press to zoom
10.jpg
6.jpg
Prédio Periférico, Praça
Prédio Periférico, Praça
press to zoom
Esquema de Corte, Torre
Esquema de Corte, Torre
press to zoom
Esquema de Fachada, Torre
Esquema de Fachada, Torre
press to zoom
11.jpg
12.jpg
PB010.jpg

 

 

LINKS

http://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/05.056/2519