Pousada Garatéia (Hotel Viverone) - Complexo Madrepérola (Villas Gregas)

POUSADA GARATÉIA (chamada pelos empreendedores de Hotel Viverone)

Terceira e última versão, 2017

Carta endereçada aos empreendedores, a respeito da Pousada, em outubro de 2017, elaborada por Moacyr Moojen Marques

Armação da Piedade – O Condominio e a Pousada

Considerações sobre o Projeto

A Pousada surgiu no projeto como um elemento do programa que decorreu do aproveitamento do terreno que revelou-se territorialmente descontínuo, visto ser seccionado por via pública (estrada), Área de Preservação Permanente (arroio) e extensões de aclives e matas nativas. Como o principal requerimento para a concepção urbanística e arquitetônica era viabilizar um condomínio turístico de qualidade superior, procurou-se uma fórmula para integrar as diversas partes do sitio em um conjunto harmônico de empreendimentos que apresentasse  coerência e qualidades espacias ao conjunto. Daí surgiu a idéia da ligação das duas áreas  lgadas ao mar (à leste de estrada existente) separadas pelo arroio e suas faixas de domínio, com a inclusão de uma nova atividade (pousada), dotando-a, por sua vez, de uma nova função, ou seja; possuir condições de complementariedade desempenhando atividades de apoio às residências unifamiliares do condomínio, situadas do outro lado do arroio. As duas partes foram assim articuladas  por um eixo (norte-sul), paralelo ao mar, ligadas mediante uma ponte que cruza a ravina do arroio potencializando um condomínio único formado por duas partes que são complementares, possuindo maior contato físico visual com o mar e a praia que são o maior atrativo do empreendimento. Esta estratégia, além de proporcionar condições notáveis para a solução urbanística viabiliza o aproveitamento da parte do terreno situado ao norte (pousada), que tornou-se inaproveitável para a imlantação de casas, já que sua parte construível ficou reduzida  a um mínimo, em razão da incidência de dispositivos legais (marinha, mata de galeria, topografia). No entanto, esta parte da propriedade é privilegiada  quanto ao seu relacionamento visual com o mar. O que restou de terreno, encontrou no projeto sua vocação natural que, embora exíguo, capacita-se  para dotar o condomínio de serviços tais como: restaurante internacional, lavanderia, administração, zeladoria, centro de lazer e estética, etc., além da hospedagem às pessoas habituadas a vereanear em hotéis e apartamentos, em estabelecimentos com visual total ao oceano em todas suas dependências, além de possuir praia própria. Complementarmente, a pousada, poderá abrigar atividades atrativas voltadas ao público externo como o bar, restaurante internacional, carentes na região. O eixo de composição urbanística que liga a pousada à parte sul do condomínio, propicia um fator favorável à implantação da arquitetura qe nasce favorecida com a estrutura geral do empreendimento, de tal forma que nos planos descendentes em direção ao mar, são criados platôs, onde as casas podem ser implantadas em situações descontínuas, com alternâncias, que propicia permeabilidade visual e a brisa marinha a todas as casas, daí a conformação de suas plantas baixas, atreladas a idéia original do projeto.

Unidas pela ponte do arroio, as duas partes ligadas ao mar, unem-se por sua vez, ao lado oposto da estrada, através de passarela elevada, ao complexo de apoio do Condominio, composto de  Guarda Náutica, Centro Comercial, Centro Esportivo e Estacionamento. Com isso completa-se o condomínio, com todas as atividades interligadas, superando as descontinuidades causadas pela natureza do sitio. Por último, foram situados, formando um conjunto de terrenos, à noroeste da gleba, na forma de desmembramento aproveitando a frente para a via pública já existente , em situação privilegiada quanto às visuais, já que em cotas elevadas, todos os terrenos terão vista permanente e ilimitada em direção ao mar.

Com isto completa-se o projeto, que ao contar da atuação do Fayet, teve mais de dez anos de gestação até a versão atual. Agora, consolidads as ideias de todos os estudos e projetos a serem transformados em executivos, tornarão realidade a ocupação da área. Carlos Maximiliano Fayet, Arquiteto, idelista, profissional de grande valor, destinou parte de sua vida, sem medir sacrifícios para adquirir terreno por terreno, para compor a gleba que hoje possibilita a construção de seu projeto. Partiu sem ver o final de seus esforços, deixou , no entanto rascunhos de suas ideias urbanísticas e arquitetônicas, os quais puderam ser adaptados aos dias de hoje, segundo nova concepção que desenvolve a ideia inicial, objetivando o aproveitamento do potencial da área encantada pela exuberância de sua paisagem.

Como afirmou Italo Calvino ä realidade é autônoma, muitas vezes pensamos que podemos influir sobre ela, mas chega um ponto que já não podemos mais. Ela é maior que nós”. Pois o Fayet não pode concluir sua obra, mas certamente onde estiver ele nos cuida. Eu Moacyr e meu Filho Sergio, fomos os escolhidos pela família para seguir a trilha do projeto, eis que convivemos seguramente sessenta anos (Moacyr e Fayet), trabalhamos juntos em muitos projetos (plano diretor de Porto Alegre, Auditório Araújo Vianna e outros), as famílias também se uniram e construímos um prédio para morar, já há cinquenta anos. Na última etapa surgiu o Chiquinho, entusiasta e criativo incorporador e o engenheiro Paulo, corrdenador técnico e o Nei, representante da família e o pessoal do Fayet para materializar o empreendimento. Esta digressão serve para sublinhar que seja, qual for a circunstancia, nós estaremos fazendo o melhor, pois além de nossa experiência e responsabilidade profissional, laços nos unem, que dão a este trabalho uma dimensão muito maior que um projeto, importante, mas comum.

A POUSADA

Na verdade não é fisicamente só um projeto, são vários, desde a parte urbanística, passando pelas casas e os demais projetos complementares, seja novos prédios onde cada um tendo em vista que todos serão construídos. O novo projeto da Pousada está sendo encaminhado na condição de Projeto Básico. Quando construído terá o duplo papel de edifício autônomo, de oferecer serviços ao exterior e ao interior do condomínio, do qual ele faz parte. Esta é uma das razões  de sua localização no conjunto, já que seu serviço ao exterior independe de acesso ao ambiente das casas (hóspedes, restaurante, bar e demais atividades).

O projeto original, de 2011, possuía um terreno muito maior, o qual foi diminuído sensivelmente dadas as áreas de marinha, matas de galeria, mata nativa, recuo viário exigido pela Prefeitura. O terreno resultante, praticamente ditou a forma do projeto. Sua posição geográfica e a topografia do sítio, fortes restrições  a implantação de prédios, juntamente com imposições legais, ensejaram soluções arquitetônicas atípicas, conduzidas no projeto e melhorias inusitadas ao funcionamento da pousada, tais como:

  1. Varios níveis de acesso, que favorecem a independência das funções;

  2. Todas as dependências tem frente para o ar, sendo que algumas também podem usufruir da vista para as matas e elevações à oeste;

  3. Acesso exterior ao nível da estrada, onde os estacionamentos situados no andar dos pilotis, que ao mesmo tempo é um belvedere, que certamente se tornará um apreciável atrativo;

  4. Quatro pavimentos e meio destinados aos lofts da pousada, sendo os dois últimos com lofts de dois pavimentos e pé direito duplo voltado ao mar. Os apartamentos devem ser analisados, por hora por sua área, sendo que o mobiliário insinuado nas plantas servem como referencia do seu potencial de uso. Cabe ainda dizer que a proporção de Lofts duplos ou simples pode ser alteradas, assim como aumentar a capacidade da pousada com o aumento de número de pavimentos, propiciada pelo plano diretor para áreas turísticas;

  5. Restaurante internacional e bar com acesso do público exterior, situado nos pisos inferiores, com vistas direto para o mar, possuindo ainda terraços externos e fácil contato com os banhistas. Junto as dependências de serviço do restarante encontra-se ainda outrps serviços inclusive do condomínio  das casas ligadas pela via interna Alguns espaços deste pavimento não foram numerados porque sua utiliza’ção depende de assessoria dos projetos complementares. Segue junto com os estudos, planta com escala maior da parte dos serviços para estudo das áreas complementares, em especial a cozinha;

  6. Na cobertura incluímos várias dependências comuns com atividades de recreação e de conveniência, já que o empreendimento fica longe de área urbana, qualificando todo o empreendimento;

  7. A piscina térmica envidraçada permite nadar com a visão do mar e o panorame do entorno.

  8. Junto com as pranchas do projeto, constam estimativas das áreas a serem edificadas

CONCLUSÃO

Neste ponto do projeto geral, a concepção geral de todos os elementos está estabelecida, com níveis de maior ou menor desenvolvimento (Estudo Preliminar ou Projeto Básico). Compete agora, desenvolve-los para aprovação na Prefeitura e projetos executivos para a construção, passando pela necessária compatibilização com os projetos complementares. É necessário pois a formação da equipe técnica para que o trabalho seja feito em conjunto em prol da harmonia de todas as partes.

Peço perdão pela alentada correspondência, porém foi nossa intenção emparelhar alguns assuntos e fazer algumas considerações, neste momento em que o projeto se encontra com as principais definições concluídas.

 

Um abraço

 

Moacyr Moojen Marques, 2017

Projeto de Urbanismo, Paisagismo, Arquitetura e coordenação dos projetos complementares - 2007 / 2017

MooMAA - Moojen & Marques Arquitetos Associados

Arq. Moacyr M. Marques, Arq. Sergio M. Marques

Carlos Maximiliano Fayet (in memorian)

Colaboração: Arq. Barbara Mello, Arq. Valentina M. Marques, Arq. Mariana Wilkens, Arq. Monica Luce Bohrer, Acad. Lucas C. M. Marques, Acad. Gabriel Oshida.

Proprietários

Familia Fayet, Forma Espaços Imobiliários, Imobiliária Faggion

Empreendimento, Incorporação e Comercialização

Forma Espaços Imobiliários

Eng. Paulo Pompermayer

Col. Arq. Fernando Pasquali

Imobiliária Faggion

Francisco Faggion

Impacto Ambiental

Brasil Pinto Advocacia Ambiental e Empresarial

Adv. Antônio Carlos Brasil Pinto, Biol. Rafael Grazieira Perin, Eng. Agr. Hugo Mazon, Geog. Carolina Helena Rosa, Arqueol. Maria Madalena Velho do Amaral, QMC Laboratório de Análises

Topografia

MAFRA Topografia e CGPlan Serviços Topográficos

Projetos Complementares

Forma Espaços Imobiliários

© 2018 por Sergio M. Marques, criado com Wix.com

  • Facebook
  • Instagram