Refinaria Alberto Pasqualini - REFAP - Refeitório

1968 - REFAP (15).jpg

Flutuando sobre o lago

 

Os edifícios da Portaria  e Refeitório, como peças excepcionais do tabuleiro e caráter mais público da REFAP, exploram formalmente a transparência e descolamento do plano do solo como diferencial. Projetados quase simultaneamente (desenhos datados com um mês de diferença), provavelmente um influenciou o outro. Ambos os edifícios sobrevoam a área adjacente, sendo que a Portaria o faz com arrojo estrutural de balanço sobre apoio único e o Refeitório aproveitando a topografia natural do terreno. Este último tem na relação com o açude e a paisagem seu principal ingrediente, através da superelevação do pavilhão “sanduíche” de faces acristaladas, onde está o salão de refeições, sobre a água, usufruindo cena natural. A ideia de pavilhão "sanduíche" com "recheio" acristalado flutuando sobre a natureza faz como a Casa de Vidro (1951), de Lina Bardi (1914-1992), à qual o restaurante presta tributo tipológico, assim como outros projetos análogos, como a Casa Gómez (1953), de Francisco Artigas (1916-1999) em Col. Pedregal de San Ángel no México. Os pilotis criados propiciam área de descanso integrada ao bar criteriosamente mobiliado[1] e área ajardinada do entorno imediato, da mesma forma projetada. A compensação de nível é amparada por parede arrimo construída com pedras irregulares de basalto que articula o interior ao exterior como nos pavilhões miesianos. Nos interiores, a rigorosa modulação do forro, afinada com pisos e caixilharia, dá o espírito de coordenação modular marcante do espaço, revisitado pelos quatro arquitetos em obras posteriores

O Refeitório (projeto coordenado por Moojen) tem como elemento dominante de sua organização formal, de partes elementares, o salão de refeições propriamente dito e parte da cozinha, na forma de uma “placa” horizontal com aproximadamente cinquenta metros longitudinais no sentido leste-oeste e trinta e seis metros de largura no sentido norte sul, e em torno de cinco metros de altura no total, o que configura objeto de bela proporção visual e forma horizontalizada condizente com a paisagem. Dividida em três crujias de aproximadamente doze metros cada, de forma a organizar todas as funções de serviço no vão central e acomodar o salão de refeições de maneira perimetral, em planta livre, faceando três fachadas transparentes integradas visualmente à paisagem, esta placa é interceptada na retaguarda por volume mais baixo, mais estreito e opaco, que abriga o restante das funções de serviço e a intersecciona, deixando na diferença de largura, de ambos os lados, os espaços generosos para o ingresso. Este volume cego, “morde” o vão central da cozinha e avança a oeste em direção ao estacionamento e à orientação principal de chegada, para quem vem do complexo ao refeitório de automóvel, inscrevendo um pátio de serviços, com acesso desde o estacionamento, onde são efetuadas carga e descarga e localizadas as funções de infraestrutura, assim como aberturas de iluminação e ventilação. De certa maneira, a fachada de chegada ao refeitório é sua face mais operativa, que, além de intermediar todas as funções de serviços, condiciona o acesso ao salão principal através destes caminhos laterais, que, além de organizar o ingresso linear tangente aos toilletes e buffet, através dos costados do volume cego, definido por planos de tijolos à vista que penetram do exterior ao interior, culminam o visual na paisagem

 

Sergio M. Marques, 2012

Refinaria Alberto Pasqualini - REFAP

Refeitório

Ano: 1962

Promotor/Contratante:

Governo do Federal do Brasil., Petrobrás S.A.

 

Projeto de Urbanismo, Paisagismo, Arquitetura e Fiscalização de Obral:

 

Arqs. Carlos M. Fayet, Cláudio L. G. Araújo,  Moacyr Moojen Marques, e Miguel Pereira

(Coord. do Projeto do Refeitório _ Moacyr Moojen Marques)

Complementares:

 

Cálculo Estrutural:

Eng. Dicran Gureghiam, Eng. Eugênio Knoor, Eng. Fernando Campos de Souza

 

Técnicas construtivas e especificações

Eng. Raul Rego Faillace

 

Instalações elétricas, hidráulicas e ar-condicionado

Eng. Boyjunga Dias e Eng. Milton Campos

 

Acesso viário BR-116

Eng. Cloraldino Severo 

Construtoras:

Melo Pedreira, Azevedo Moura Gertum, Tedesco e outras.

Local:  Rodovia BR 101 Km 13, Canoas/RS

Condição Atual:  Em uso

Fotografias:

João Alberto da Fonseca – Acervo FAM

Modelo 3D: 

Sergio Marques

Refeitório
Refeitório

Leste e Norte

press to zoom
Refitório
Refitório

Fachadas Sul e Leste

press to zoom
Refeitório
Refeitório

Fachadas Oeste e Sul

press to zoom
EA_REFAP_047.jpg
DE-1127-19-EAQ-0003_0001_B(1).jpg
EA_REFAP_063.jpg
EA_REFAP_061_Color.jpg
Refeitório
Refeitório

Interiores

press to zoom
Refeitório
Refeitório

Interiores

press to zoom
Refeitório
Refeitório

Interiores

press to zoom
Corte.jpg
Corte
Corte

Sala de Refeições

press to zoom
Corte
Corte

Sala de Refeições e Cozinha

press to zoom
Corte
Corte

Sala de Refeições e Cozinha

press to zoom
restauranterrefap2.jpg
Portaria
Almoxarifados
Centro Médico
Treinamento
Administração

BIBLIOGRAFIA

LUCCAS, Luís Henrique Haas. Arquitetura moderna brasileira em Porto Alegre: sob o mito do “gênio artístico nacional”. Porto Alegre: PROPAR-UFRGS, 2004 (Tese de doutorado em arquitetura).

 MARQUES, S. M.. FAM. 1. ed. Porto Alegre: ADFAUPA, 2016. v. 300. 448p

MARQUES, S. M.. Carlos Maximiliano Fayet. Arquitetura moderna brasileira no Sul. Arquitextos (São Paulo. Online), v. 105, p. 105.03, 2009

MARQUES, S. M.. Ambiente, paisagem, urbanismo e arquitetura modernos em obra pioneira da Arquitetura Moderna Brasileira no sul: Refap/Petrobras - 1962/1968. AMBIENTE CONSTRUÍDO (ONLINE), v. 18, p. xxx, 2018.

MARQUES, S. M.. DA "REFINARIA À SECRETARIA" - Racionalismo Estrutural, socialismo nacional e modernismo regional em obras públicas de Fayet, Araújo & Moojen - 1962 a 1970. In: Carlos E. D. Comas; Marta Peixoto; Sergio M. Marques. (Org.). Concreto - Plasticidade e Industrialização na Arquitetura do Cone Sul-Americano 1930/1970. 1ed.Porto Alegre: Editora Ritter dos Reis, 2012, v. VII, p. 175-204

 Projeto Janeiro/Fevereiro de 1994 nº171­; Bienal Tradição e Ruptura – Arquitetura, Nov 1984 – Jan 1985, pg. 30

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil (1900-1990). São Paulo: Edusp, 1998.


XAVIER, Alberto/MIZOGUCHI, Ivan. Arquitetura Moderna em Porto Alegre. São Paulo: Pini, 1987.

PREMIOS E EXPOSIÇÕES

Medalha de Ouro - Melhor Projeto Construído, 4º Salão de Arquitetura do RS  IAB/RS. Janeiro 1968

Bienal Internacional de Arquitetura – Tradição e Ruptura –  Fundação Bienal de São Paulo (19/11/1984 a 31/05/1985)

Tombado pela Prefeitura Municipal de Canoas - RS

Integrante do Arquivo Internacional de Arquitetura Moderna do DOCOMOMO - Ficha elaborada por Sergio M. Marques